quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Escola Municipal João de Deus


Jornal Futura - 11/08/2010

Luciana Landrino há vinte anos é diretora da Escola Municipal João de Deus. Nos primeiros 4:25 minutos da entrevista do Canal Futura, Luciana conta como a leitura e a produção de textos melhorou o desempenho dos estudantes da escola. Em 2009, a média das nota no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) dos alunos do pequeno colégio da Penha Circular foi 7,8. Essa nota foi superior a de todas as outras escolas do Rio de Janeiro, inclusive particulares.

Toda semana os 298 alunos do ensino fundamental levam 2 livros para casa. As meninas amam poesia e os meninos adoram Ziraldo. Os mais velhos já lêem Ferreira Gullar, Adélia Prado, Shakespeare. Outros favoritos são Cecília Meireles, Vinícius e Machado de Assis. A mesma receita foi usada pela professora Marva Collins com estudantes das escolas públicas de Chicago. Crianças precisam entrar em contato com as obras clássicas, inspirar-se e treinar a sensibilidade para o belo. São verdades básicas que funcionam em qualquer tempo e lugar.

"Amai a arte por ela mesma e então ser-vos-á dado tudo quanto necessiteis. Esta devoção à beleza e à criação das coisas magníficas é a pedra de toque de todas as grandes nações civilizadas." (Oscar Wilde - O Renascimento Inglês da Arte)

"A única coisa que a água não leva é o conhecimento." (Luciana Landrino)


segunda-feira, 20 de setembro de 2010

De Serra de Terra de Mar


e a serra florando em frente, lavava seus pés no mar...
(Geraldo Vandré)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Missa Tridentina de volta aos domingos

Leanna Scal

No dia 19 de setembro retorna à cidade do Rio de Janeiro a celebração da Missa Tridentina, popularmente conhecida como a “missa em latim”. Caída em desuso após a reforma litúrgica dos anos 60, a Missa Gregoriana é pouco conhecida atualmente, mas, pelo menos uma vez ao ano, não deixou de ser celebrada no Outeiro da Glória.

O retorno da Missa Tridentina ao Rio surgiu a partir de um pedido do Arcebispo Dom Orani João Tempesta. A iniciativa também vem ao encontro das diretrizes do Papa Bento XVI, que há três anos publicou um “motu proprio”, uma espécie de “decreto autônomo” liberando e incentivando o uso da Liturgia Tradicional em todo o mundo.

O Capelão da Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, Monsenhor Sergio Costa Couto está ajudando o Arcebispo na tarefa de implementar a Missa. Ele explicou que, a partir do decreto do Papa João Paulo II, todo sacerdote de rito latino pode celebrar essa missa na forma antiga, como está no manual de 1963, feito pelo Papa João XXIII.

- Essa missa é celebrada em latim, podendo, eventualmente, fazer as leituras em português. Percebe-se que há uma demanda muito grande de pessoas afeiçoadas às práticas tradicionais, explicou.

Ele contou que fiéis desvinculados da linha pastoral moderna, que predomina no ambiente católico atual, buscam a missa em latim. Curiosamente, esta parcela de fiéis é composta, em sua maioria, por jovens entre 20 e 30 anos, que já nasceram sob a vigência da missa reformada, mas conheceram e simpatizaram com esta forma de Liturgia Tradicional.

Ele acrescentou que as diferenças entre a antiga e a nova liturgia vão muito além do idioma, envolvem as fórmulas, as orações, os gestos, a postura do padre (de costas para a assembléia), os cantos.

A partir do próximo dia 19, a Forma Extraordinária do Rito Romano, ou Missa Tridentina, será celebrada regularmente aos domingos, às 9h, na Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, até que seja definida uma paróquia definitiva para abrigar os fiéis da Liturgia Tradicional. Quem presidirá será Dom Fernando Areas, Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney, em Campos, criada em 2002 pelo Papa João Paulo II.

A Paróquia Nossa Senhora do Carmo da antiga Sé fica à Rua Sete de Setembro, 14, no Centro.

*Colaboração: Acleir Silva

Artigo original na página da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Lula rebaixa a cidadania


Lula rebaixa a cidadania
artigo de Merval Pereira
O mais espantoso na atuação do presidente Lula no episódio das quebras múltiplas de sigilo fiscal de pessoas ligadas ao PSDB, até mesmo a filha do candidato tucano à Presidência da República, é como ele manipula seus seguidores, explorando-lhes a boa-fé e, sobretudo, a ignorância. José Serra lamentou que Lula tenha “debochado de coisa séria” quando fez análises nada republicanas sobre o episódio. Segundo o presidente, em cima de um palanque, o episódio não passa de “futrica”, e o candidato do PSDB “está nervoso” com a previsão de derrota e está usando sua família “para se fazer de vítima”.

Para ler a continuação do artigo de Merval Pereira, clicar no link.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Ameaças à Democracia

CARLOS ALBERTO DI FRANCO

Em 1964, sob o pretexto de preservar a democracia ameaçada por um presidente da República manipulado pelo radicalismo das esquerdas, os militares tomaram o poder. E o que se anunciava como intervenção transitória se transformou no pesadelo da ditadura. A imprensa foi amordaçada. Lideranças foram suprimidas. Injustiças foram cometidas em nome da democracia.

O que se viu no transe da ditadura foi o germinar de duas tendências: liberdade versus autoritarismo. Os democratas, como Tancredo Neves e Ulysses Guimarães, entre outros, partiram para a luta contra a ditadura, mas sempre apontando para o horizonte de um regime aberto. Outros, como Dilma Roussef e Franklins Martins, partiram para a clandestinidade. Passaram-se anos. A guerrilha foi substituída pelos ensinamentos de Gramsci, pelo marketing e pela manipulação das massas desvalidas. Mas a alma continua autoritária.

Em discurso, ao lado do presidente Lula, o ministro Franklin Martins criticou a imprensa e disse que os jornais e emissoras de TV vão perder o controle sobre as notícias. Eles participaram do lançamento da TVT, do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Franklin disse que o canal ajudará a internet a quebrar o poder dos "aquários", jargão que identifica a chefia das redações. "Isso é uma revolução e incomoda muita gente que ficava no Olimpo. Mas é irreversível e está apenas começando." O inimigo: a imprensa independente. A mesma que se opõe e, se oporá sempre, aos novos ímpetos autoritários que se vislumbram no horizonte pós-eleitoral.

O projeto de controle das comunicações e das liberdades não é uma possibilidade. É uma estratégia em implantação. O respeitado Ethevaldo Siqueira, de "O Estado de São Paulo", fez uma radiografia: "O PT não quer simplesmente continuar, mas se prepara para aprofundar o aparelhamento do Estado na área das Comunicações. Ao longo de quase oito anos, o partido ocupou quase todos os espaços de poder na área", diz Siqueira. O governo Lula esvaziou as agências reguladoras, concentrou esforços na formulação do Plano Nacional de Banda Larga e na recriação da Telebrás. "Criou a EBC (TV Brasil), e passou a cuidar quase secretamente da questão da banda larga e da Telebrás." A estratégia petista consiste em aprofundar o aparelhamento e a ocupação total do território estatal das comunicações, conclui.

É sombrio o horizonte da democracia. Agora, com a economia turbinada, tudo é festa e a capacidade crítica se esvai. Mas um país com imprensa ameaçada, oposição esfacelada, instituições aparelhadas, comunicação controlada e sob o efeito de um crescente populismo assistencialista é tudo, menos democracia. Cabe-nos resistir, com as armas do profissionalismo, da ética inegociável e da defesa da liberdade. A democracia pode cambalear, mas sempre prevalece.
(artigo no jornal O Globo, em 6/9/2010)

imagem do blog do Zé Oliveira

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Forca

Fim do Silêncio ou Grito Silencioso

Mais Vida